31 de março de 2008

27 de março de 2008



Como toda a gente fiquei escandalizado com o vídeo da aluna a maltratar a professora, só ainda não percebi o que raio é um "telemobel"...

Estamos mesmo na época da revisão das crenças nas virtudes do mercado sem fim. Em Portugal, os sinais ainda são fracos. Na blogoesfera, onde domina uma versão totalmente blindada do neoliberalismo, ainda menos. No entanto, basta ler a imprensa liberal que está atenta à evolução do capitalismo realmente existente, sobretudo na sua variante anglo-saxónica, para nos apercebermos dos efeitos que a crise está a ter nas ideias económicas dominantes. E estas, por sua vez, têm sempre consequências para a orientação das políticas públicas. Esta semana, a The Economist aponta o caminho ao reconhecer, de forma mais ou menos explicita, o fracasso dos mercados financeiros liberalizados e a correspondente necessidade de aumentar o «controlo para reduzir as hipóteses de novos apoios públicos» às aventuras dos agentes financeiros. Ontem, Wolfgang Münchau do Financial Times, um dos mais acérrimos defensores da tese da decadência económica da Europa minada pelo «intervencionismo», afirmava que o velho continente estaria, em geral, menos exposto à crise porque o seu modelo de capitalismo dependeria menos da especulação financeira. Finalmente, Martin Wolf, também do Financial Times, declara que atingimos um ponto de viragem: «lembrem-se de sexta-feira, 14 de Março de 2008: foi o dia em que o sonho do capitalismo assente no mercado livre global morreu (. . .) a desregulamentação atingiu os seus limites». É preciso fazer tudo para que esta profecia se concretize.


José Sócrates anunciou, ontem, a descida do IVA em 1%, fixando a taxa em 20%. É pouco. Há meia dúzia de anos este imposto era de 17%. A Espanha aplica a taxa de 16%. Apesar de pouco, é curioso anotar a oposição da oposição à anunciada descida do IVA. Uns dizem que esta descida só vai beneficiar as «empresas e não os cidadãos», de onde se deduz que a dita taxa não devia descer; outros dizem que devia «descer a taxa de IRC em vez do IVA», de onde se deduz que a referida taxa não devia descer; outros, ainda, dizem que se trata de «cosmética eleitoralista», de onde se deduz que a referida taxa não devia descer. E por aí fora. Fico com a ideia que, do ponto de vista dos efeitos mediáticos, é irrelevante se se trata de subir ou de descer um imposto. Se a economia não entrasse nesta conversa, o melhor seria estar quieto.

26 de março de 2008



Durante os proximos dias vou andar por aqui.

"O primeiro-ministro, José Sócrates, reafirmou hoje que a crise orçamental portuguesa "está ultrapassada" e os factores que a motivaram "estão resolvidos", garantindo que pela primeira vez tal foi possível sem comprometer o crescimento económico." ["Falando em Famalicão, durante a sessão de apresentação do Plano Estratégico para a Indústria Têxtil e Vestuário 2007-2013"] (in Público)
Alguém que diga ao Primeiro-Ministro que o nosso País está longe de estar bem, a actual situação é grave e requer medidas urgentes para que as coisas voltem a bom caminho.
O crescimento económico é só para alguns, perguntem a grande parte dos pequenos e médios empresários o que acham da actual situação.

R.I.P


«Remember Friday March 14 2008: it was the day the dream of global free-market capitalism died. For three decades we have moved towards market-driven financial systems. By its decision to rescue Bear Stearns, the Federal Reserve, the institution responsible for monetary policy in the US, chief protagonist of free-market capitalism, declared this era over. It showed in deeds its agreement with the remark by Joseph Ackermann, chief executive of Deutsche Bank, that "I no longer believe in the market’s self-healing power". Deregulation has reached its limits.» (Martin Wolff, Financial Times).


Pelos vistos já há quem decrete a morte do Capitalismo selvagem ou de Casino como eu lhe prefiro chamar, é certo que vamos pagar todos bem caro (literalmente) pela morte deste sistema, mas a Economia global não pode nem deve de estar nas mãos de um bando de especuladores que jogam com o futuro de todos nós como se de um jogo se tratasse.
Quem há algum tempo tivesse este discurso era acusado no mínimo de ser de extrema-esquerda ou de não compreender como funciona a economia actualmente, mas a esses lembro que já Marx dizia que: “ O capitalismo encerra em si mesmo a sua própria destruição”.
O Mercado tem e deve ser regulado, para bem de todos e não para beneficio só de alguns!

Auto-Estrada para o inferno!


Auto-Estrada para o Inferno, bom, depende do ponto de vista, tanto pode ser uma maneira de sair de um inferno ou de ir parar a outro!
Vídeo: aluna com processo em tribunal

Por decisão do MP, caso de jovem que aparece num vídeo a lutar com a professora de Francês pela posse do telemóvel segue para o Tribunal de Menores. Objectivo é saber se houve ofensas à integridade física da professora ou crime de injúrias
Portugal Diário

Que esta medida possa servir de exemplo, uma boa punição era por esta jovem a cumprir uma horas de serviço comunitário.
O professor exemplar
É incrível a "lata" do professor Charrua que aproveitou o incidente na escola onde lecciona para dar entrevistas às televisões queixando-se da ministra e da falta de autoridade nas escolas. Que autoridade tem um professor que chama f. da p. a um primeiro-ministro nos corredores do ministério da Educação para vir armado em flor de cheiro.

O comportamento da matulona da escola secundária Carolina Michaelis e a actuação do professor Charrua são duas faces de uma mesma moeda, a degradação das relações dentro da escola. E não me parece que professores que andam a chamar f. da p. a quem quer que seja sejam o melhor modelo de virtudes para que agora venham dar lições de moral ao país.
O Jumento

25 de março de 2008


Os Senhores do fisco não param de nos surpreender, agora quem se vai Casar tem de após a Boda preencher um questionário e dizer ali “preto no branco” se o homem do Restaurante passou factura, se o Tio Joaquim que deu o vestido à Francisca (Noiva) tem o respectivo talão de compra e se o Noivo na altura de consumar o Casamento se encontrava à altura.
Tenham paciência, mas isto é mesmo verdade?
È que de facto este País por vezes parece uma anedota!

24 de março de 2008

20 de março de 2008


"UM HOMEM INFIEL É, por definição, um homem de dois orçamentos. Um homem infiel nunca paga um jantar. Paga dois. Uma jóia não é uma jóia. São dois anéis, dois colares. E se vocês acham que umas férias nas Caraíbas são o supremo sonho, desenganem-se: pagar duas passagens e dois hotéis arruina qualquer carteira. Agora multipliquem pelo número de amantes. É sempre a subir: três jantares, três anéis, três passagens, três hotéis. O mesmo homem. O mesmo desgraçado. Mas o desgaste físico e financeiro não é nada quando comparado com o desgaste mental. Um pequeno demônio que ataca nas pequenas coisas. No esforço continuado para nunca trocar os nomes, por exemplo. "Querida, eu não disse Ana. Disse Joana. O que foi que você ouviu?" E depois contamina as grandes coisas: a necessidade de elaborar planos para que as mulheres nunca se encontrem. Um homem infiel nunca vive na paz dos inocentes. Na paz da mulher enganada. Um homem infiel é uma agenda ambulante. Para ele, um dia não é um dia: é uma estratégia de batalha, com horários fixos e medos infantis de que a porta do elevador possa abrir na altura errada. O stress e a ansiedade são simplesmente intoleráveis - aqui."

TIBETE.







Vai gozar com a tua mãe.Idiota!


Cinco anos depois do início da ofensiva militar
"Êxito que está a ser vivido no Iraque é inegável", diz Bush

Inadmissível


Ericeira sem luz até às 10 da noite
Ontem desde as 13,20h a Ericeira esteve sem energia eléctrica. E repare-se bem, só retornou em pleno já eram dez da noite. O inconveniente desta situação foi grave pela extensão no tempo, o que ocasionou prejuízos elevados aos cafés e a toda a industria hoteleira que necessita de energia eléctrica para serviço de almoços e jantares, impedida que esteve para poder utilizar os aparelhos eléctricos. A situação esteve a 50% quando a corrente era fornecida apenas com falta de uma das fases.


Ericeira.com


É inaceitável que a EDP continue a apresentar um tão deficiente serviço à Ericeira, este problema já se arrasta à muito tempo, este é um bom exemplo de como o desenvolvimento não se faz apenas de boas vias de acesso, ele tem de ser composto por infra estruturas capazes de sustentar o crescimento que está a acontecer. Sabemos que não é competência da Autarquia Mafrense a questão da EDP, mas não seria possível fazer aquilo que tem de ser feito, pressionar e protestar perante os responsáveis por esta inadmissível situação.
Se isto acontece-se em Mafra na zona da Câmara Municipal não estaria já há muito resolvido?

Numa Escola Portuguesa.



Uma professora de francês da Escola Secundária Carolina Michaelis, no Porto, foi brutalizada, em plena aula, quando tentava tirar o telemóvel a uma aluna.Os restantes alunos assistiram e filmaram. O vídeo está no YouTube.

17 de março de 2008

"O próximo comício do PS é no Portugal dos Pequeninos"
Foi com esta saída que Menezes, o mesmo que agendou mais uma sessão de carne de porco assada para aparecer nas televisões, comentou o comício do PS. O certo é que Menezes optou por se transformar em "pequenino" foi fez a sua agenda em função desse mesmo comício. E onde será o seu próximo comício? Nalgum ringue de boxe no Coliseu ou no pátio do Júlio de Matos? Talvez no Coliseu pois mesmo que os presidentes de junta e outros admiradores de Menezes estejam demasiado magros o pátio do hospital começa a ser pequeno para tanta loucura do líder do PSD.
Menezes, como Jerónimo de Sousa, cometeu o erro de reagir a um comício do adversário político, optando pelo debate de baixo nível, em vez de discutir um país que tende a rejeitá-lo como candidato credível a primeiro-ministro.
O Jumento

14 de março de 2008

Vontades.


Sem vontade nenhuma para as coisas comuns.
Sem vontade nenhuma para a vida mundana.
Com vontade de partir a loiça toda, forte e feio.
Com vontades inconfessáveis.
Com vontade de olhar e não ver.
Com vontade de ter e não querer.
Com vontade de tudo e mais alguma coisa.

Frank Zappa.

Cães: Sete raças perigosas vão ser proibidas

O Governo pretende proibir a importação, reprodução e criação de sete raças de cães consideradas perigosas e de todos os animais que resultem do seu cruzamento com exemplares de outras raças, de acordo com a TSF.
Boa notícia, mas fica a pergunta a minha cadela (na foto) estará na lista?

13 de março de 2008


"As «cabeças» bem-pensantes da nossa praça, distraídos com o «plástico socrático» não se dão conta como o PCP – partido que, em Portugal, representa o «sonho» de ditaduras implacáveis – está a minar, por dentro, as mais elementares regras da democracia, usando a capa cobarde do «anonimato» e do «espontâneo». Parece que se preparam para protestar junto ao comício do PS no Porto, no próximo sábado. Hoje, ninguém se indigna. Mas, por este caminho, mais cedo ou mais tarde, alguém terá de saltar para a rua, em defesa da democracia, e enfrentar os amigos das FARC."

Os Professores.


Heróis do bar.


Melhor vinho tinto do mundo vem de Portugal

Os enólogos franceses elegeram o Syrah 2005 da Casa Ermelinda Freitas, de Palmela, como o melhor tinto de 2008. A concurso estavam mais de 3 mil vinhos de 36 países.
Nada mal, pelo menos na pinga somos dos melhores a produzir e a beber!

12 de março de 2008


Professores preparam protesto à porta de comício do PS
Depois da Marcha da Indignação, o PS marcou um comício, para o próximo sábado, para comemorar os três anos de Governo. Mas entre os professores já circulam mensagens para uma manifestação à porta do encontro dos socialistas.


Se se vier a confirmar esta “contra manifestação” estamos perante uma provocação bem ao estilo do PREC. Para bem de todos e da paz publica é de elementar bom censo que se evite este tipo de confrontação. Haja decoro!




Parece que estou a ver a malta no Jardim do Cerco em Mafra, grande festival, se a moda pega…

Mulheres.


"O que me atrai nos brincos não é as mulheres terem-nos, é o momento em que os prendem na orelha, de queixo esticado e olhos vazios. A mesma expressão, aliás, ao procurarem as chaves na carteira. Parece que se ausentam. Depois voltam a estar ali ao rodarem a fechadura."

António Lobo Antunes.

Ó pra mim!


11 de março de 2008

Maré II


Função Pública: Federação apela à participação na greve e manifestação de sexta-feira


A Federação Nacional de Sindicatos da Função Pública apelou hoje à participação de todos os trabalhadores da Administração Central na greve de sexta-feira, sustentando que só através da luta dos trabalhadores é possível travar as medidas do Governo.
Esta a ser cada vez mais claro para todos que este tipo de protesto tem tendência a tornar-se cada vez mais frequente. Levados pela força de uma “maré” contestatária os Sindicatos vêm na rua a melhor maneira de forçar o Governo a recuar nas suas politicas para o sector da administração publica.
Para o bem de todos espero que o poder não caía à rua, o Governo pode e deve dialogar com os trabalhadores, mas que este dialogo e possíveis cedências não venham a por em causa a tão urgente e necessária reforma da administração publica.

Marés.

«As alterações aos regulamentos internos do PSD, aprovadas sábado em Conselho Nacional, são "graves", "perigosas" e "ilegais", podendo abrir uma "porta à lavagem de dinheiro", alertou ontem Rui Rio, presidente da Câmara do Porto e antigo secretário-geral do partido durante a liderança de Marcelo Rebelo de Sousa. Uma tomada de posição que é vista, dentro do "grupo dos dez" antigos secretários-gerais como "um tiro de partida". Apesar disto, só com uma demissão do actual líder, Rui Rio poderá disputar-lhe o lugar até 2009.» [Diário de Notícias]

Ou muito me engano ou a crise no PSD vai ser resolvida por uma limpeza geral, assim tipo uma grande maré provocada por um Rio!

Vergonha.

É arrepiante e triste verificar que passados quase 34 anos sobre a queda de um regime opressivo se esteja a assistir a um “branquear” daquilo que foram 40 anos de estupidificação do povo Português.
Vergonha na cara é o que falta a quem idealizou e pagou esta publicidade!

A Sombra no Palavra Aberta


10 de março de 2008

O CONFRONTO INEVITÁVEL ENTRE O PS E O PCP




O PS esteve distraído ou preferiu evitar um confronto político com o PCP, um confronto cada vez inevitável. Nunca o PCP sonhou tanto com mais um PREC como agora, aproveitando algumas lutas corporativas a máquina do PCP no meio sindical obteve as suas primeira vitórias desde 1976. Abandonados os operários à sua sorte e perdidos importantes bastiões como na banca o PCP apostou tudo nos magistrados, polícia e professores, grupos profissionais para quem os seus interesses estão acima de qualquer lógica política.

O confronto entre o PCP e o PS é inevitável, resta saber se será nas urnas de votos ou se o PS terá de o fazer na rua espaço de legitimidade política preferido pelo PCP. Quando o PCP, o herdeiro histórico de algumas das piores ditaduras que o mundo conheceu e conhece tem o descaramento de fazer esperas a dirigentes do PS à porta de sedes deste partido para lhes chamarem fascistas está a ir longe demais na estratégia definida por Jerónimo de Sousa na última festa do Avante, a mesma festa onde os narco-traficantes da extrema esquerda têm estatuto de convidados de honra.
Talvez seja tempo de o PS cortar todo o tipo de relações com o PCP que, aliás, revela uma grande simpatia pelos governos do PSD, partido com que se tem aliado em numerosas autarquias.

PS Mafra.


"Dos 139 militantes, 46 tinham capacidade eleitoral, tendo a sua situação regularizada. Destes, 29 foram votar, o que corresponde a 63% de participação. Os 29 votos foram todos para a lista encabeçada por António Branco, que assim recebe 100% dos votos expressos. Tratou-se de uma clara manifestação de confiança dos militantes do PS, que entenderam renovar o seu mandato."




Foi na sexta-feira passada que se realizaram as eleições para a Comissão Politica Concelhia do Partido Socialista de Mafra.
Quero saudar os Camaradas eleitos e faço votos de um bom trabalho para os desafios que se aproximam.

Como é do conhecimento de todos foi minha intenção avançar com uma lista concorrente a estas eleições, fiz o que nesta situação se tem de fazer, contactar as pessoas, falar com elas e apresentar as propostas concretas para a renovação que em meu entender o PS Mafrense necessita para sair da situação de estagnação em que se encontra. Obtive sempre um bom acolhimento das ideias por mim propostas, foi evidente que os Socialistas do nosso Concelho querem e anseiam por mudanças de fundo na estrutura interna que permitam ao PS ambicionar a mais do que a ser “líder da oposição” do nosso Concelho.

È fácil verificar que neste momento muito dificilmente haveria espaço para duas candidaturas, com 46 militantes que têm capacidade eleitoral o cenário é desolador e bem demonstrativo da realidade actual, cantar vitória quando deste universo de possíveis votantes só 29 votam é de facto um exercício de autismo Politico.

Mesmo não fazendo parte da Comissão Politica não vou deixar de estar atento e de se o PS Mafra julgar necessário contribuir para o fortalecimento do Partido Socialista.
Acredito que a mudança passa pelo PS, acredito que existem Mulheres e Homens capazes e com vontade, acredito no Concelho de Mafra e nas Mulheres e Homens que não se conformam.

Crise.

Portugal está à espera, todos aguardamos por um sinal que como se de magia se trate desperte este país e que de uma vez por todas nos faça seguir no caminho certo.


7 de março de 2008

Força camarada!


TEMOS HOMEM !!!

Dia da Mulher.


ASAE no seu melhor




Perceberam? Se querem DAR alguma coisa a quem mais precisa, fazendo aquilo que o ESTADO devia fazer, é só proceder da seguinte forma

1º Constituir uma empresa ou associação: pagar escrituras

2º Fazer o registo da marca: pagar ao INPI

3º Desenhar rótulos para identificar os produtos a oferecer: pagar a um designer

4º Imprimir os rótulos: pagar à gráficaaposto que ainda deve faltar uma autorização qualquer câmara municipal: pagar)

Terminado este processo, finalmente o cidadão pode oferecer ao Centro de Dia uma taça de marmelada, uma galinha ou até uma chouriça. Isto, claro, se o animal for abatido num matadouro oficial onde, obviamente, se paga.

6 de março de 2008


É bom acreditar que somos imortais, que o tempo não passa e que a juventude é um estado de alma, andamos na vida de forma enrolada, preocupados e desencontrados uns dos outros, buscamos conforto na matéria que compramos para iludir solidões. Suspiramos de saudades por dias que o tempo levou, ignoramos os nossos semelhantes e não agimos perante as injustiças preferindo gritar dos nossos sofás que “isto está mal”.

Grita agora bem alto que BASTA, que estas farto, mas grita convicto e que o teu grito se transforme em acção, levanta-te do sofá e faz, está na hora de agir.

O PS, tal como qualquer outro partido, tem todo o direito de realizar os comícios que quiser, quando quiser e onde quiser. O facto de ser o partido no governo, para o qual foi eleito por vontade da maioria absoluta dos portugueses que se pronunciaram sobre o assunto, não diminui esse direito. Isto é tão elementar que se estranha as vozes dos que, por demagogia ou má-fé, de forma aberta ou velada, comparam o comício marcado para o próximo dia 15 de Março com as «manifestações» de apoio ao governo marcelista. Vivemos em democracia, apesar de muito «boa» gente não entender isso. A questão é outra: o PS responder ao PCP – partido que vale 7% do eleitorado – e ás manifestações de rua, sobretudo dos professores, com a convocação de uma acção de rua - um comício. A realização do dito comício retira «margem de manobra» às contestações? Creio que não. Ou, talvez, antes pelo contrário. Para comemorar 3 anos de governação? Falsa questão, já que não o fez no primeiro e segundo ano. Como se escreve aqui (de onde retirei a foto), não estamos nos tempos da Fonte Luminosa, em que o PS saiu para a rua para derrotar a ameaça de uma ditadura comunista.
«Tenho confiança no futuro de Portugal - e dos portugueses -, sempre tive. Mesmo nos anos cinzentos e tão tristes da ditadura. Durou de mais, é verdade, mas a liberdade chegou- -nos, finalmente. Nos últimos trinta anos, Portugal progrediu imenso. É incontestável! E não é agora por a Europa estar em crise - e o mundo a entrar em recessão - ou por sentirmos, é verdade, "um difuso mal-estar" que os órgãos de comunicação social ampliam, que nós vamos perder a confiança em nós próprios e no destino português!» [Diário de Notícias]
Mário Soares

4 de março de 2008


Moisés agiu sob o efeito de... alucinógeneos
Professor israelita faz afirmação radical. Baseia-se em experiências sensoriais relatadas na Bíblia

Bom, isto é preocupante, quer dizer as histórias da Bíblia foram passadas sob o efeito de drogas alucináveis, grandes malucos !!!

Reclames!!!



Andam para ai muitos Diáconos Remédios com vontade de opinar, eu por mim prefiro este, sempre dá para rir!!!

É interessante ver as entrevistas feitas aos Professores nas manifestações, consigo compreender as suas preocupações e inquietações, mas continuo a achar que é urgente efectuar uma profunda reforma na Educação em Portugal.
Em meu entender os professores não são os donos, nem os destinatários da Educação. São uma ferramenta e no centro de tudo isto são os alunos que no fundo importam.
Se o Governo está certo da justeza das suas propostas deve aplicá-las sem temores eleitoralistas. Neste momento, qualquer recuo é a morte do artista.
"Paulo Portas acusou um ministro, e até o meteu em tribunal, por considerar que este lhe fez graves "insinuações pessoais". Tanto quanto consegui entender, perguntando a toda a gente à minha volta, a insinuação foi de que as explicações que Paulo Portas deve pelos casos suspeitos que o seu partido acumulou quando esteve no Governo não se branqueiam como os dentes "na cadeira do dentista".
Era isto? Uma comparação entre os dentes brancos do político e as manchas do seu partido? É isto uma grave insinuação pessoal? Ouça então, Paulo Portas: vá passear. Vá ver se chove. A questão aqui não é o respeitinho que lhe é devido, é o respeito que você deve aos seus concidadãos.
Os seus concidadãos querem explicações civis e políticas sobre o que se passou no caso dos sobreiros, querem saber por que raio recebeu o CDS um milhão de euros às fatias pequeninas em poucos dias, como se explica que os mecenas do partido tenham nomes imaginativos mas poucos outros dados de identificação, se é possível a todos obter "imperceptíveis" alterações legislativas de última hora e a pedido, ou se apenas os casinos o conseguem, e se entre os sessenta mil documentos que você mesmo levou reproduzidos do Ministério da Defesa há dados confidenciais, ou se podemos todos saber quais são. E nada perguntamos sobre os 24 milhões de euros que a construtora dos submarinos depositou no Banco Espírito Santo, embora curiosidade não nos falte.
Perante isto tudo, pode bater o pé e declarar-se ofendido e sugerir insinuações pessoais. Não há quem não enxergue através dessa cortina de fumo."
[Público assinantes]

Rui Tavares