14 de fevereiro de 2011

MOÇÃO E MOCINHOS

«Todos os dias, e um deles, por semana, até com o Governo sentado em frente, os deputados têm a oportunidade de dizer o que pensam da acção e do pensamento governativo. Como se chama a essa arma? Discursos. Discursos a criticar a política governativa ou tão-só uma vírgula numa proposta de lei. Pontuais ou vastos, chamam-se discursos. Atenção, não se chamam moções de censura. Chamam-se discursos. É necessário dizê-lo porque, depois de ter tirado da cartola uma moção de censura ao retardador, o Bloco de Esquerda desvaloriza essa moção como se daqui a um mês viesse a fazer uma coisa que podia resolver com um discurso. Não, uma moção de censura é uma proposta parlamentar que pretende derrubar o Governo. Por isso, em vez de discursar como se pode fazer todos os dias, uma moção de censura concita um texto pretendendo juntar o número de deputados que mostre que o Governo tem contra ele a maioria dos deputados. Ora o que tem feito o BE desde que ameaçou com a moção de censura, ele, que tem 16 deputados e precisa de mais cem para levar a sua avante? Para juntar, nada, para afastar já o líder parlamentar do BE, José Manuel Pureza disse que os 102 deputados do PSD e do CDS seriam "ridículos" se a votassem. Temos, então, que não se trata de uma moção de censura mas uma censura de mocinhos, tão mocinhos que depois de terem ameaçado vão passar um mês no terror do PSD e do CDS os apoiarem. »
 [DN]

2 comentários:

polittikus disse...

Como "casca de banana", das duas uma, faz cair alguém ou acaba no lixo ;)
Temos ouvido muito blá blá blá mas, quase sempre, de pessoas que têm os "rabinhos presos" calam-se... O BE é um bom exemplo.

polittikus disse...

Lembrei-me deve agora estar a fazer 10 anos a última e única vez que estive à sombra do convento contigo. Eram umas 3 da manhã e éramos 3 a discutir política, já meios... Lembras-te?