19 de outubro de 2010

Sinais preocupantes na Europa

A Democracia europeia atravessa neste momento grandes transformações, devido à ascensão da extrema-direita e ao enfraquecimento da esquerda.


Um pouco por todos os Estados europeus, com a excepção de Portugal e Espanha, o radicalismo da direita cresce e é determinante para a vida política de cada país. Veja-se como o novo Governo holandês, para ser viabilizado, careceu do suporte da extrema-direita, de quem ficou refém.

E, o que sucedeu recentemente nas eleições legislativas suecas, de 18 de Setembro, com a entrada da extrema-direita pela primeira vez no Parlamento de Estocolmo – note-se: a Suécia, baluarte do desenvolvimento e bem-estar no mundo -, confirma a regra que França, Itália, Áustria, Holanda, Bélgica, Hungria, Roménia, e outros países já contam. Partidos radicais com representação e peso. Ainda há pouco mais de uma semana, na eleição regional de Viena, só uma das áreas mais desenvolvidas da Europa e do mundo, o partido austríaco mais forte da extrema-direita, o FPÖ (ainda há outro, o BZÖ), foi a segunda formação mais votada, com 27% dos votos.

Estes resultados estão a provocar mudanças. E se em termos eleitorais, como a seguir se perceberá elas são manifestas, em termos de políticas as transformações também ocorrem. E sempre no seio da esquerda e direita democrática.

Vejamos: Sarkozy, primeiro, com as suas políticas face aos trajes muçulmanos e, depois, na perseguição aos ciganos, mais não tem feito do que adoptar muitas das causas da Front National, de Le Pen. E, neste fim-de-semana, no congresso da jota da CDU, Angela Merkel decretava a falência do multiculturalismo, dado o mal-estar na sociedade alemã. Estas posturas, jamais impensáveis há 10, 20 anos, são hoje um sinal de cedência dos princípios da direita democrática ao radicalismo, para segurar o eleitorado. Mas, o mais espantoso é o crescimento da extrema-direita alicerçar-se em eleitorado de esquerda. Se no início desta década Le Pen tinha conquistado muitos dos eleitores do outrora forte PC francês, agora são os partidos socialistas/sociais-democratas/trabalhistas que vêem parte do seu eleitorado, desagradado com a situação, refugiar-se debaixo do discurso de exclusão e xenofobia de líderes radicais.

Pela fraqueza eleitoral e de valores do socialismo democrático europeu e pela abdicação dos valores da direita democrática, por mero tacticismo, o projecto europeu começa a ser abalado nos seus princípios, com elevadas e nocivas consequências para os 500 milhões de europeus. Convém recordar que aquilo que afundou tragicamente a Europa há pouco mais de meio século é, precisamente, o germe que está a singrar.

Carlos Manuel Castro

1 comentário:

Iran Maia disse...

Amei seu blog.
Acabei de lançar um livro chamado Qualquer Versar, o download é gratuito. Dê uma lida:
http://recantodasletras.uol.com.br/e-livros/2555650

Iran Maia